domingo, 17 de outubro de 2010

Descorado

Não sei se sentirei por você,
a ternura inquieta
que noutros tempos senti.
Sei porém, que notei
a doce tristeza do teu olhar
e também me entristeci.

Vi na solidão que ainda virá,
uns pedaços de tempo
nos traços teus;
retalhos, talvez,
que você costurará
igual um tapete colorido
e que não terá pedaço meu.
Pena, que já me descorei;
aqui por dentro,

fiquei branco e sem sentido.

2 comentários:

Flor de Lys disse...

Ah, meu amigo... quanto isso faz divagar meus pensamentos...

=)

Vera Celms disse...

Leão,
comprei umas tintas novas, só pra vc...vem... beijos da Leoa