segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Francisca

Francisca não foi a primeira
mas, foi um primeiro doce;
primeiro carinho que veio,
mesmo que da vida fosse.

Também única, não foi.
Vieram claras, escuras Marias
e brancas e limpas e opacas,
cada uma trazendo manias.

Não foi última, mas, primeira
e guardo ainda doce lambida;
carinhos breves e loucos.

Poderia sim, ser derradeira
e se quisesse, eterna guarida,
que deu-me de tudo, um pouco.

Um comentário:

Flor de Lys disse...

Tantas Marias e tantos Josés...
Mas, Franscica, uma só...

Agradeço sua visita!

Beijos, querido.
Álly.