segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Saudade

Saudade. Essa puta,
que chega sorrateira
e dardeja em nossos vãos.
Grude em mim, então,
com unhas e mãos
e não deixe ir embora
essas nossas cores.
Imprima na minh'alma
todas as tuas cores,
ponha em minha boca
todos os teus sabores.
E não se vá.
Não deixe a saudade
que se avizinha,
mesmo estando eu,
ainda em tua companhia.

Um comentário:

Flor de Lys disse...

Se a saudade se avizinha, aceite a minha companhia - antídoto para ela. rs

Beijo, amigo!