sábado, 25 de setembro de 2010

Mistérios

Andei por aí, esquecido,
procurando uns perdidos.
Fiz das noites, dias,
voei em ventos calmos;
me percebi palmo à palmo.
E senti um medo ruim,
de ainda ter-te em mim;
porque ando sem coragem
de ver-te novamente;
coração, às vezes mente.

Andei por aí, meio confuso,
até notei o sorriso sério
que tens para tudo.
Quisera eu, poder desvendar
o teu doce mistério
e enxergar-me no teu olhar.

Um comentário:

Flor de Lys disse...

Aiai... que gostosura me ler em teus poemas...
Agradeço sua visita, me deixa lisonjeada!

Beijo, moço bonito!

Álly.